DICAS PARA SE PROTEGER EM FESTAS E EVITAR A RECAÍDA Terceira parte e última parte

0
576

LIDANDO COM AS EMOÇÕES

Aceite seus sentimentos como realmente são. Não os julgue como certos ou errados, nem feios ou bonitos. Se estiver sentindo algo seja real para você, respeite esse sentimento. O que importa é a forma como você lidará com os mesmos.

Se encontrar dificuldades, então compartilhe-as de imediato, lembrando-se que o silêncio é a pior resposta para quem está em recuperação.

Isso o ajudará a identificar e expressar o que está sentindo, trazendo-lhe alívio. Compartilhar o desconforto e o receio diminui consideravelmente a intensidade dos sentimentos, ajudando a reduzir os riscos de agir de forma impulsiva ou inadequada.

Enfim, não coloque a responsabilidade de sua recuperação em cima da situação em que você estiver inserido e/ou envolvido.

Parta do princípio que hoje você escolhe a sua recuperação e que ela está em suas mãos, como também a responsabilidade de defendê-la.

Proteja-se e vista a “camisinha” dos bons e saudáveis pensamentos. E não se assuste se surgirem a partir daí bons e saudáveis sentimentos.

“SÓ POR HOJE.”

ACREDITE EM SEUS SONHOS…ACREDITE NA SUA RECUPERAÇÃO E FELIZ RENASCIMENTO!

Marília Teixeira Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Previous articleDESEJO A TODOS UM SUAVE E SERENO 2019!!!
Next articleDICAS PARA SE PROTEGER EM FESTAS E EVITAR A RECAÍDA Segunda Parte
Olá! Sou Marília Teixeira Martins, psicóloga clínica há 36 anos. Atendo adolescentes e adultos em meu consultório em Belo Horizonte de forma presencial e, a convite da Plataforma da Psicologia Viva, realizo atendimento online, devidamente autorizado pelo Conselho Federal de Psicologia. Acredito que cada um de nós, em seu processo de crescimento e busca interior, é capaz de desenvolver todo o seu potencial na resolução de problemas e dificuldades que a vida nos apresenta. Assumir a responsabilidade por nossa própria evolução nos colocando como o primeiro e único responsável por nossas atitudes, escolhas, sentimentos e por nossa própria vida é trabalhoso, mas com certeza nos leva a uma compreensão maior e mais fiel de como nos relacionamos conosco e com os outros. Como profissional da área de saúde entendo que o meu papel e dever em relação às pessoas que me procuram é motivá-las e direcioná-las ao seu autoconhecimento e amadurecimento de forma responsável, incentivando-as a buscar o comprometimento com sua própria evolução e crescimento emocional, condição “sine qua non” para uma vida harmoniosa e serena. Durante longos anos trabalhei em Comunidades Terapêuticas abordando o difícil mal da humanidade: a dependência de álcool e outras drogas. Em consultório, trabalho com os próprios dependentes químicos (adictos) desde sua rendição e pedido de ajuda, passando por todo o processo efetivo de recuperação e pela constante sombra da recaída… Até sua libertação dos químicos. Como uma criança que nasce e passa por vários estágios até seu completo caminhar, o dependente químico que quer vencer alcança sua sobriedade e recuperação. Resgata a dignidade perdida em função de uma doença tão devastadora, deixando de ser o “escolhido”, abraçando com muita dignidade e garra sua liberdade em “escolher”. Conheço de perto a luta que enfrentam. Portanto, a todos que optaram por sua sobriedade e recuperação e àqueles que ainda não optaram, mas estão a caminho, recebam o meu profundo respeito e admiração. Atendo também familiares de dependentes químicos que costumam não saber lidar com a adicção de seu afeto e, por isso, apresentam comportamentos disfuncionais e adoecidos. Falar sobre este tema exige cautela. Por outro lado, tornou-se um desafio em minha vida. Costumo dizer que eu não o escolhi, o tema me escolheu. Mas, por que e para quê? Confesso que durante muito tempo busquei respostas para esta indagação pessoal e, por mais incrível que possa parecer, ainda não as encontrei. Resolvi então me entregar ao “chamado” e agir. Um desafio, um sonho, uma realidade. Através de minhas experiências profissionais publiquei um livro dirigido principalmente àqueles que buscam ou navegam em direção à libertação das drogas, reinventando suas histórias e resgatando suas próprias vidas. Escrevê-lo foi mais do que um simples ensaio. Foi um exercício poético de liberdade e um convite à reflexão e à ação. Escrevi ainda um segundo livro, ainda não publicado, devido às inúmeras atividades profissionais por mim abraçadas, mas que vocês terão a oportunidade de conhecê-las através deste blog. Quem sabe juntos conseguiremos alcançar aqueles que tanto precisam de ajuda? Além de atuar em diversos diagnósticos clínicos, dou supervisão clínica para psicólogos, auxiliando-os na condução de seus atendimentos. Ministro palestras em grupos de mútua-ajuda como Alcoólicos Anônimos (A.A.), Al-lanon (para familiares de dependentes químicos), em escolas de ensino fundamental e médio, trabalhando com os alunos principalmente a prevenção da doença. É um prazer recebê-los. Vocês são os meus convidados. Podem entrar, a casa é nossa! Marília Teixeira Martins Psicóloga Clínica

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome